Uma carta que você nunca vai ler

by - agosto 22, 2012



A minha palavra de hoje é alívio.

Independente de qual seja a sua decisão, eu estou aqui e você sabe disso. E vou estar quando você precisar.

Eu me sinto uma menina boba tentando agarrar um relacionamento (que poderia ter sido, na verdade) com unhas e dentes, fazendo com que você ficasse comigo. Mas agora que percebo que meu medo de te perder era maior que qualquer outro sentimento. Eu sabia que te queria por perto, mas não sei como.

Eu sempre quis que você lesse alguma coisa que eu escrevi, mas, na verdade, eu queria mesmo era te ter por perto, mesmo sabendo que você não quisesse o mesmo. A gente está unido por algum laço, só não sei qual, talvez seja o fraternal. Percebi que muito mais importante que te ter como namorado, é te ter como amigo. Namorados vêm e vão, mas você não. Você fica por simplesmente ser especial e diferente de todos os outros.

E hoje eu acordei com uma vontade louca de escrever essa carta. Meio que sem sentido escrever tudo isso, né? Não sei se você costuma ler carta de amigo, se é que podemos chamar assim. Mas se for pra ler, leia como se estivesse ouvindo a minha voz, meio que tonta, mas que, no final, dá vontade de rir com tudo isso.

Você pode olhar pra essa carta com aquele seu olhar meio torto e que, por sinal, eu acabo me perdendo nele. Ou sei lá, mas devo ter me encontrado nesse caminho sem rumo.

E, mais uma vez, vou escrever imaginando como você deve acordar, olhando pro teto do seu quarto e se sentindo o máximo, como você costuma fazer quando está comigo ou, sei lá, com alguém muito próximo. Ou talvez a gente venha pegar o primeiro ônibus e começar a falar de coisas sem sentido e que poderiam não ter graça, mas só em estar lá poderia fazer alguma diferença. Aliás, eu sei como faz diferença.

A gente iria caminhar pra ir embora e você falaria do problema de saúde que você tem, aliás eu espero que você melhore disso tudo. Quero te ver sorrindo e me chamando de patricinha por saber que eu amo maquiagem e só consigo andar assim, bastante arrumada. Quero ouvir você me chamar lá do outro lado dizendo que eu falo muito alto e, só pra te ver feliz, eu diria que você quer chamar atenção.

Eu poderia mesmo explicar esse turbilhão que se encontra dentro de mim. Mas você quer que eu seja sincera?

Não faço a mínima ideia do que esteja acontecendo comigo, mas, de qualquer forma, longe ou perto, quero que você se cuide.

Você promete se cuidar?

You May Also Like

1 comentários

  1. Oi? Foi de propósito que você colocou o post da música antes desse texto? Coloquei pra tocar e fui baixando para ler as outras coisas. Encaixou perfeitamente hahah. Música e texto lindos, por sinal. Beijooos.

    ResponderExcluir