Da pessoa que me tornei

by - fevereiro 16, 2014

karine clessia1

Quando a gente é mais novo, parece que falta um prego na nossa cabeça, né? A gente faz uma besteira aqui, outra ali e por aí vai. Mas, com o tempo, a gente passa a ver que a realidade é outra e aprende mais cedo do que imaginaria acontecer. A mulher tem a probabilidade de se tornar mais cedo mais madura que o homem e, na maioria das vezes, é ela que tem o poder de mudar a visão do homem. E que seja pra melhor.

Eu era bem besta mesmo antigamente. Eu ficava que nem uma tonta atrás de pessoas que, cá pra nós, nunca fez questão de estar tão perto de mim. Já fiz questão de ir atrás de babacas que não fizeram diferença nenhuma quando foram embora. E até já paguei de idiota pros amiguinhos na época de escola. Mas, sabe, aprendi uma coisa: a coisa mais importante do mundo é ser feliz sendo você mesmo.

Hoje me sinto completa por saber que a minha companhia me basta. Às vezes, desvio de pessoas que sei que não daria certo a amizade ou sei lá. Sou bem apegada a meus pais e meu namorado e, na minha opinião, eles são as únicas pessoas que confio de verdade. Com direito a abraços, sorrisos e lágrimas quando for necessário.

Hoje percebo que eu tenho uma variedade muito grande de coisas pra escolher, mas não preciso disso tudo. Aqui dentro do meu peito, na verdade, eu já sei o que eu quero. Não adianta fingir pra ninguém o que amo e muito menos pra mim mesmo. Sei que eu seguisse um caminho diferente, eu estaria e tornaria uma pessoa frustrada. E eu odeio isso. Odeio reclamar por ter que rever pessoas que, na verdade, tenho vontade de fugir.

Odeio mesmo. Aliás, anota aí: ninguém te obriga a nada. Então, não faça da sua vida onde as pessoas escolhem seus caminhos. Isso é o maior erro que você pode cometer.

Onde me encontrar: FacebookInstagramFlickrTwitter

leia todos de karine clessia

You May Also Like

2 comentários

  1. Um ótimo texto Káh!!!
    É muito bom ver o tempo passar e ver que amadurecemos <3

    ResponderExcluir
  2. Karine Clessia22 fevereiro, 2014

    Ainda bem né, Mila? :)

    ResponderExcluir